Vereador Luiz da Feira reafirma que não admite presença de estrangeiros no Shopping Popular.

Voz de Feira

O vereador Luiz da Feira voltou a se posicionar, na manhã desta terça-feira, 28, na Câmara Municipal, em relação a possível ocupação de empresários estrangeiros no Shopping Popular. Na defesa dos vendedores ambulantes de Feira de Santana afirmou não ter nada contra os coreanos, japoneses e chineses, mas que o espaço, que está sendo construído em área do Centro de Abastecimento, deve ser explorado exclusivamente pelos vendedores ambulantes de Feira.

O vereador comentou sobre a entrevista concedida pelo empresário Elias Tergilene, do grupo responsável pela construção do equipamento, ao Programa Jornal Transamérica, que indagado diz que “os chineses são muito bem-vindos” e que “os espaços poderão ser ocupados por qualquer nação do mundo que esteja em Feira de Santana”. “O Shopping Popular foi feito pra qualquer comerciante que esteja em Feira de Santana exercendo sua atividade econômica. Aqui deve ter portugueses, americanos, chineses”, acrescentou o empresário na entrevista.
A declaração de Elias Tergilene contradiz ao Projeto de Lei de nº 219/2017, de autoria do Poder Executivo, que dispõe sobre a comercialização dos espaços do Centro Comercial Popular, permitindo a ocupação dos boxes exclusivamente para brasileiros natos ou naturalizados, devidamente cadastrados junto à Secretaria Municipal do Trabalho, Turismo e Desenvolvimento Econômico, e que estejam inseridos no projeto de requalificação do centro comercial da cidade.

“Peço que o prefeito municipal e o secretário de Desenvolvimento Econômico, Antônio Carlos Borges Junior, tomem as devidas providências. O empresário (Elias Tergilene), que representa o grupo que firmou a Parceria Público Privada (PPP) com a Prefeitura, não deve interferir sobre quem vai atuar naquele espaço. Isso deve ser feito respeitando as leis e os entendimentos entre o Poder Legislativo, a Prefeitura e os camelôs”.

Ascom – vereador Luiz da Feira (PPL)

 

OUTRAS NOTÍCIAS