Sistema carcerário brasileiro está à beira da explosão, diz Le Monde

Voz de Feira

Com chamada de capa na edição de domingo (8) e segunda-feira (9), o jornal Le Monde relata “os massacres de presos em série” ocorridos nesta semana nas prisões brasileiras”. Para o vespertino francês, não há dúvida: as duas rebeliões nos presídios do norte do país, que deixaram 87 detentos mortos, em um intervalo de quatro dias, mostram que “o sistema carcerário brasileiro está à beira da explosão”.

O jornal mostra que um relatório da HRW de 2015 citava “células sem janela nem leitos, onde 37 presos dormem em cima de um lençol no chão […] outra em que 60 homens dormem em pé, agarrados às grades, e passam o dia envoltos num odor pestilento de mofo, suor, urina e excrementos”. A Aids e a tuberculose reinam nos presídios.

Em sua maioria indigentes, os detentos e suas famílias não têm outra escolha a não ser se entregar às gangues para sobreviver, constata o Le Monde. A reportagem diz que a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Carmen Lúcia, reconhece a gravidade da situação e a provável “explosão do sistema carcerário”.

O texto termina com a declaração atrapalhada do presidente Michel Temer, que se referiu à rebelião de Manaus como “um acidente pavoroso”. Depois do incidente, ele anunciou a construção de novos presídios. Porém, o plano só vai diminuir a superlotação em 0,4%, segundo a Folha de S.Paulo, conclui Le Monde.

OUTRAS NOTÍCIAS