Pobreza Menstrual. O que é isto?

Por Charlene Silva

Olá, sou Charlene Silva, hoje trago um assunto que foi tema de uma ampla reportagem na noite desse domingo (2), a Pobreza Menstrual, um problema social, global que afeta milhares de pessoas que menstruam.

No Brasil um a cada dez menstruantes não tem acesso a absorvente. Comparando que 13,5 milhões de pessoas vivem na extrema pobreza com até R$5.00 por dia, e o custo mensal com absorvente é de R$12,00, é visível a dificuldade.

O impacto é ainda pior para as pessoas em situação de rua, detentas e refugiadas. Na falta do absorvente é preciso improvisar e acabam usando papel higiênico, sacos plásticos, papelão, trapos e até miolo de pão, caso em que uma médica relata que cuidou de complicações causada pelo uso do mesmo. Esses improvisos trazem doenças e até deixando a mulher estéril.

“Uma em cada quatro jovens já faltaram as aulas por não poder comprar absorvente e não falam que foi por isso. Elas tem vergonha tentam esconder. A falta de absorvente provoca uma sensação de insegurança. É algo que elas sofrem sozinhas como se fosse um fracasso, uma vergonha , é isso que mais me chocou” , conta a antropóloga Miriam Geldenberg, pesquisadora da UFRJ.

A pobreza Menstrual vai muito além da falta de dinheiro para comprar absorvente, a falta de acesso a água e saneamento básico, também contribuem para essa pobreza , já que as mulheres nesse período precisam de uma melhor higiene, cito também a falta de medicamentos para cólicas e mal estar que deixam as mulheres ainda pior. Muitas vivem em casas sem banheiros, frequentam escolas com banheiros sem condições de uso, falta água, papel higiênico, sabonetes e até pias não tem.

A ONU (Organizações das Nações Unidas) em 2014, reconheceu que o direito a higiene menstrual é uma questão de saúde pública e direitos humanos.

Com isso tudo se prova a falta de políticas públicas voltadas para as mulheres. Precisamos que nossos representantes reconheçam essas necessidades como um direito e criem projetos de orientações e distribuições de itens para higiene menstrual. Como por exemplo, distribuir absorvente em postos de saúde, escolas públicas, criando ações educadoras com esse tema que ainda é um tabu.

Ressalto aqui a importância das mulheres na política, mulheres que realmente atuem de forma operante nas questões de políticas públicas voltadas para mulheres. Assim resgatando dignidade para muitas que vivem nessa situação.

OUTRAS NOTÍCIAS