Comissão de Saúde, formada pelos vereadores; Pres. Emerson Minho, Vice Pres. Luiz da Feira e Membro; Paulão do Caldeirão, visitam Hospital de Campanha e constatam a gravidade da situação. Confira!

Por Cloves Pedreira

Na manhã desta sexta-feira (12), a Comissão de Saúde, Desporto, e outros afins, vereadores Emerson Minho (DC), Presidente, Luiz da Feira (PROS), Vice-Presidente, e o Membro Paulão do Caldeirão (PSC), encontraram-se em reunião com a Gestão do Hospital de Campanha, Diretor Geovani Santos Oliveira, a Gerente Operacional Francinete Lobo, Raíssa Andrade de Araújo,; Supervisora Administrativa, e o Fisioterapeuta André Villa Flor.

Inicialmente o corpo administrativo do Hospital, presente a reunião com os edis, quando questionados sobre a taxa de ocupação de momento nesta unidade, a Gerente Operacional Fracinete Lobo respondeu; “A situação se agrava a cada dia, e a população de Feira vai contra as medidas, os bares cheios e as pessoas sem máscara. O Hospital de Campanha está com 85% dos leitos ocupados, e os de UTI já estão a 100%, não chegamos ao ponto de escolher quem vive ou morre, mas a população e vocês como vereadores tem de alertar para isso, tem que se cuidar”,

Francinete Lobo pontuou que dos 18 leitos de UTI e 44 leitos clínicos, apenas 12 leitos clínicos estão desocupados, e que há uma previsão da aquisição de mais 5 leitos de UTI já que o número atual é insuficiente para atender os casos neste momento

O vereador Emerson Minho, também buscou informações sobre se já existem os “Capacetes-Respiradores”, dispositivos amplamente usados na Itália para o tratamento de pacientes com o novo coronavírus e que evitam a intubação

O Fisioterapeuta André Villa Flor, coordenador do núcleo de fisioterapia da unidade respondeu ao questionamento. “Feira de Santana foi a primeira do Brasil a implantar o uso dos helmets, ou interfaces, como são chamados os capacetes-respiradores , e fomos felizes em constatar, que de fato eles ajudam muito, aliviando as pessoas com dificuldades respiratórias, a quantidade de interfaces que temos hoje no hospital, 04, é maior até que das clinicas particulares, e com a chegada dos oito novos aparelhos que foram comprados, teremos disponibilidade para um em cada leito de UTI” concluiu Andre

Foi revelado pelos gestores do Hospital de Campanha que a faixa etária de pessoas infectadas cresceram mais entre os jovens, estes são aqueles que estão participando de festas e encontros com aglomeração, a situação é grave em Feira de Santana, e se as pessoas não se conscientizarem da necessidade do isolamento social, o vírus proliferará e causará perdas de vidas incontáveis.

“As pessoas estão indo em festas, não teve carnaval na rua, mas nas residências houve comemorações particulares, e 8 a 20 dias após a data, lotamos. Estão saindo cinco e entrando dez infectados, quando vaga um leito, automaticamente, muitos outros já aguardam na na fila”, alerta a Gerente Operacional Francinete Lobo,

O Portal Voz de Feira acompanhou a comitiva da Comissão de Saúde, e ao final do encontro perguntou ao presidente da Comissão Vereador Emerson Minho:

Vereador, qual sua avaliação final, após o encontro dos gestores do Hospital de Campanha de Feira de Santana?

Vereador Emerson Minho: “Cloves, “Eu avalio a nossa visita ao Hospital de Campanha de Feira de Santana, como uma unidade hospitalar de combate ao corona vírus, que possuia, 35 leitos,hoje a prefeitura aumentou em mais nove leitos na última quarta feira, dentre estes 44 leitos 32 estão ocupados, 18 leitos são UTI, todos ocupados, e diante da gravidade e crescimento de infectados, os gestores pretendem obter mais cinco UTI, entretanto não há previsão para esta aquisição.

Segundo os gestores do Hospital de Campanha , existe a possibilidade de acontecer um colapso no sistema, pois, apesar de ter no momento 12 vagas na clínica médica, existem 15 pessoas na fila da regulação para a ocupação destes leitos. Foi-nos explicado também por estes gestores que o melhor a fazer é o isolamento social, uso de máscaras, álcool gel.

Diante da gravidade e do perigo eminente, cheguei a conclusão que os profissionais daquele hospital, são comprometidos, e se dedicam dias e noites no combate ao corona vírus, de forma muito profissional, para amenizar o fluxo de infectados, e na recuperação daqueles que contraíram o vírus, mas infelizmente esta doença, torna-se cada dia mais agressiva e letal.

Observei, e Nos preocupou, e muito, quanto a necessidade de um tratamento específico para a reabilitação da capacidade cardio-respiratória, daqueles pacientes recuperados da infecção, e aqui em Feira de Santana não existe um centro sequer especializado para o pós-covid.

Temos conhecimento que em Salvador existe uma parceria muito forte entre a prefeitura e o Governo Estadual, neste momento pandêmico, na instalação de tendas, e outras intervenções, mas aqui em nosso município não acontece o mesmo, por exemplo; o Clériston Andrade continua com a mesma quantidade de leitos, aumentou apenas em nove leitos.

Portanto é preciso que haja uma união urgente entre a prefeitura de Feira de Santana, a segunda maior cidade da Bahia e com o Governo do Estado, pois também faz-se necessário chamar atenção de que Feira, atende outras cidades.

Mas fiquei satisfeito com a visita, e a disponibilidade das informações obtidas pela gestão do Hospital de Campanha, que colocou inclusive bem explícito sobre a grande importância do isolamento social, que esta doença é gravíssima, não apenas em idosos, mas em pessoas adultas de várias idades.

Portanto alerto o povo de Feira sobre a extrema necessidade de nos cuidarmos, para evitarmos a proliferação deste vírus que ceifam milhares de vidas, independente de raça, cor ou classe social.

OUTRAS NOTÍCIAS