Zé Ronaldo nega ida para o PMDB, mas não descarta participação na chapa de 2018
002

O prefeito de Feira de Santana, José Ronaldo (DEM), é uma das “noivas” deste cenário pré-eleitoral na Bahia. Cortejado por partidos dos dois principais polos políticos do estado, a principal liderança da “Princesa do Sertão” faz mistério sobre os rumos partidários, mas deixou claro neste sábado (11) que está longe de descartar uma candidatura ao Senado ou “a qualquer outra tarefa a nível estadual”.

Questionado sobre a possibilidade de cumprir tarefa política diferente de ser prefeito de Feira de Santana, José Ronaldo afirmou: eu tenho uma vida pública longa de muitas missões. Acho que tenho uma experiência na vida legislativa e executiva. Acredito que se eu tiver a oportunidade de exercer alguma outra missão como senador ou qualquer outra a nível estadual estarei apto a contribuir com nosso estado.

Cotado por partidos como PMDB e PV, o prefeito de Feira diz que não conversou com nenhum dirigente do PMDB. “Não existiu essa conversa com o PMDB. Nunca sentei para conversar com nenhum dirigente. O meu vice-prefeito em Feira (Colbert Martins) é do PMDB, mas não tive essas conversas”.

PMDB — Desde a prisão do ex-ministro do partido, Geddel Vieira Lima, e a “descoberta” do ‘bunker’ onde estava depositado 51 milhões de reais, o PMDB enfrenta uma crise partidária acentuado. O irmão do ex-ministro, deputado federal Lúcio Vieira Lima, se afastou da agenda cotidiana da legenda e o deputado estadual Pedro Tavares preside o partido.

Na última semana uma discussão no Palácio Thomé de Souza entre o vice-prefeito de Salvador Bruno Reis e o líder da bancada da oposição na Assembleia Legislativa da Bahia Leur Lomanto, este último peemedebista orgânico e histórico, ultrapassou os limites dos muros palacianos e ganhou a rua.

No ceio da discussão está a estratégia atribuída a Bruno Reis, hábil articulador político, que estaria, nos bastidores, costurando a entrada de uma liderança política no PMDB para ocupar uma das vagas na chapa majoritária. Já Leur Lomanto Júnior defenderia a tese de que o partido pode receber novos filiados, mas sem garantia de vaga na chapa.

Ambos negam as movimentações e a turma do “deixa disso” evita abordar o assunto. O fato é que na bancada estadual há divisões e entre os deputados existem aqueles que defendem diretamente a entrada de José Ronaldo no partido para ser o representante da legenda na chapa.

Até o início de 2018 muitas rodadas de conversas vão acontecer e as divisões tendem a se tornar públicas. A questão que fica no ar é se o prefeito de Feira, com sua experiência e capital político, entrará nessa guerra de foice?

PSDB — Ronaldo participou da convenção estadual do PSDB neste sábado em Salvador. Afirmou que o partido é um aliado histórico. “Desde a primeira candidatura em Feira o PSDB me apoia”.

Sobre o momento dos tucanos, o prefeito de Feira diz que o partido tem história e o momento da política nacional é conturbado de modo que reflete na política partidária. “Mas são nesses momentos de dessabores que se busca as grandes soluções para a política e para o país”.

VEJA TAMBÉM