Vereadores de primeiro mandato são tratados a pão (dormido e sem manteiga), e água, pelo executivo e Legislativo. Lulinha 600 cargos – João Bililiu 35. Injustiça!
10922707_655237664608078_3328757616274492877_n

Por Cloves Pedreira

Os vereadores novos, de primeiro mandato são massacrados, e tratados a pão (dormido e sem manteiga), e água pelo Executivo e Legislativo feirense.

Isto que acontece na Casa da Cidadania é de um injustiça inominável, mas os novos aceitam tranquilamente.

Há indícios que apenas Lulinha tem mais de 600 cargos, enquanto outros, apenas 35, 40, 50 etc. Mas, embora com todos estes cargos, Lulinha poderá não se reeleger, devido perseguições contra o povo da Conceição e adjacências, e pelo escândalo que viralizou nas redes sociais, sobre indícios de que sua esposa recebeu aproximadamente um milhão de reais sem trabalhar, e até o momento ele não deu uma resposta aos feirenses se é verdade ou não este fato, os seus vizinhos estão indignados e aguardam manifestação do vereador.

Porque esta desigualdade, se o voto dos edis tem o mesmo peso?

Os vereadores de primeiro mantado sofrem com o Executivo e com o Legislativo. Marcos Lima, sendo líder do governo, já com dois mandatos chegou a chamar Zé Carneiro de ditador, que trata os seus pares com vara de ferro, mas não a todos.

O maior exemplo de qual  postura a ser adotada na Câmara Municipal pelos vereadores novos, é aquela do deputado estadual pastor Tom, como se fala no popular; “não comia regue de ninguém”, com ele a coisa era estreita.

 

 

VEJA TAMBÉM