Vereador Alberto Nery trata de PL, médicos cubanos, cooperativas e Previdência na sessão da câmara 20
10646833_571729719616448_7584834258795258068_n

Voz de Feira

No uso da tribuna, na sessão ordinária desta terça-feira (20), na Casa da Cidadania,  o vereador Alberto Nery (PT) repercutiu sobre a inconstitucionalidade do PL do vereador Cadmiel Pereira (PT), tratou sobre as cooperativas que atual em Feira de Santana, sobre a saída dos médicos cubanos do Brasil e o rombo da Previdência Municipal.

“Esta causa do autismo também é nossa. Demos entrada em um Projeto de Lei, juntamente com outros vereadores, com o objetivo de inserir os autistas em salas de aula. Infelizmente, o projeto se perdeu e não foi sancionado. Este PL apresentado por Cadmiel tem o parecer contrário da Comissão que aprecia a legalidade dos PLs nesta Casa. Mas, há a possibilidade de conversar com o prefeito e conseguir aprovar a proposta. Não quero aqui deixar as pessoas sem esperança, mas estou sendo realista”, pontuou Nery.

E continuou. “Quando o PL gera despesa, a Câmara não pode aprovar. Apenas o Executivo tem legitimidade de criar um PL que gere despesa ao Município. Porém, como a maioria dos vereadores é da base do Governo, o edil Cadmiel pode levar a proposta ao prefeito. Digo a Cadmiel, que somos todos favoráveis ao PL, mas sugiro que peça o adiamento e ao prefeito para ele ser apresentado pelo Executivo”, sugeriu.

Cooperativas

Ainda no uso da tribuna, o petista tratou sobre a atuação das cooperativas em Feira de Santana. “Elas foram criadas para não terem fins lucrativos e os valores arrecadados devem ser divididos igualmente entre os cooperados, mas isso não acontece. Quem gere os valores arrecadados são os presidentes das cooperativas. Precisamos levar a denúncia ao MP, pois têm pessoas ficando ricas em cima do trabalho dos outros. O Governo que ai está, não mudou nada em relação à atuação das cooperativas no governo passado e isso não vai mudar, mas nós, enquanto fiscalizadores, devemos fazer a denúncia”, observou.

Médicos cubanos

Alberto Nery criticou também a saída dos médicos cubanos do Brasil. “Quero lamentar, pois a implantação foi com a finalidade de levar médicos à comunidades distantes. Determinados médicos não vão querer atuar em certo lugares. Estivemos no Viveiros e viemos que os médicos cubanos têm o maior cuidado em atender as pessoas. Isso foi uma atitude do presidente eleito, que não comunga com os países socialistas. Fica aqui meu protesto em relação a esta atitude do presidente eleito. Ele foi eleito pelo povo para fazer a vontade do povo”, avaliou.

Previdência

Para finalizar, Nery repercutiu o discurso do vereador João Bililiu (PPS), que criticou o rombo  da Previdência Estadual. “Se eu perguntar ao vereador se reconhece qual é o rombo da Previdência de Feira de Santana, ele não reconhece. O rombo é grande e a cada ano desconta 1% dos contribuintes. Ele falou num debito de R$ 4 milhões da Previdência Estadual, mas não citou o débito da do Município”, findou.  diário oficial eletrônico

 

VEJA TAMBÉM