Dinha – pré candidato em Simões Filho também é citado em relação de corruptos da lava jato.
dinha

A força-tarefa da Lava Jato apreendeu, ao longo da semana, planilhas da Odebrecht nas quais são mencionados 284 políticos em tese beneficiados com doações da empreiteira para as eleições de 2010. Nelas constam parlamentares de diversos partidos, tanto da base do governo quanto da oposição.

Chama a atenção, no entanto, nomes de políticos que não estiveram no páreo daquele ano. Caso do presidente da Câmara, Eduardo Cunha, que, de acordo com o jornal Extra, justificou: “Certamente, para a minha campanha não foi. Se eu pedi, foi para o PMDB, e foi colocada para outras campanhas”.

Outro exemplo é do também peemedebista Jorge Picciani, que, via assessoria, disse que não concorreu a nenhum cargo público em 2012 e que, em 2014, não constam doações da empreiteira a ele.

O senador Renan Calheiros e o ex-presidente José Sarney são mais dois nomes de peso que aparecem na lista, sem que tenham concorrido nas eleições.

Na última quarta-feira (23), o juiz Sérgio Moro, responsável pelos julgamentos em primeira instância da Lava Jato, decretou sigilo sobre o processo.

VEJA TAMBÉM