Aos 77 anos, o mais velho presidente da história do Brasil sofreu três intervenções médicas nos últimos meses, para conter um sangramento na próstata.
002

Voz de Feira

Michel Temer colocou uma sonda para ajudá-lo a urinar, que deverá ser utilizada nas próximas duas ou três semanas.

Ele deverá ter alta nesta sexta-feira (15), antes do horário do almoço, e poderá cumprir um “agenda normal” após dois dias de internação no Hospital Sírio-Libanês, na capital paulista, segundo o cardiologista Roberto Kalil Filho, que o atendeu.

A cirurgia para desobstrução da uretra pela qual Temer passou na última quarta-feira (13) pode atrapalhar uma viagem para a Ásia, prevista para janeiro.

Isso se o presidente seguir a recomendação médica para “adiar um pouquinho” o giro asiático, já que um voo tão longo pode ser desconfortável para pacientes em sua condição, disse Kalil em entrevista à imprensa nesta quinta-feira (14).

A cirurgia foi realizada com a aplicação de anestesia geral. Os médicos testarão duas possibilidades de sonda: uma com uma bolsa coletora acoplada à sua perna, para o jato urinário fluir livremente e, “caso ele não se acostume”, uma sonda que pode ser destampada quando o peemedebista sentir vontade de ir ao banheiro, opção “um pouco mais cômoda”, afirmou o urologista Miguel Srougi.

Há cerca de 15 dias, Temer detectou incômodo no “jato urinário”.

O procedimento para contornar o problema foi considerado bem sucedido, mas “há sempre o risco” de voltar, de acordo com Srougi.

Temer é um homem “extremamente saudável”, segundo Kalil.

Aos 77 anos, o mais velho presidente da história do Brasil sofreu três intervenções médicas nos últimos meses, para conter um sangramento na próstata, pôr um stent e, agora, desobstruir a uretra.

Nesta quinta-feira, Temer recebeu a visita do presidente da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), Paulo Skaf. “Ele está com a cara ótima, tranquilo. Achei ele muito bem”, disse Skaf, pré-candidato ao governo paulista pelo PMDB.

“Falamos sobre a importância de se aprovar a reforma da Previdência em fevereiro, e senti ele muito animado”, declarou.

PREVIDÊNCIA

O vaivém hospitalar fez o presidente suspender a reunião que faria nesta quinta-feira (14) para definir a data da votação da reforma previdenciária.

Com a permanência em São Paulo, Temer pretende realizar a reunião com os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), na sexta-feira (15) ou na segunda-feira (18).

Ela vai depender, contudo, da mudança da agenda de Eunício, que deve retornar nesta quinta-feira para o Ceará e programava viagem ao exterior em seguida.

A ideia ainda é que, após o encontro, o peemedebista faça um pronunciamento no Palácio do Planalto para anunciar o adiamento da votação da reforma da Previdência para fevereiro, estabelecendo uma data no ano que vem.

VEJA TAMBÉM